Ir para conteúdo

PARANAVAÍ – Prefeitura retira mais 20 caminhões de materiais que acumulam água na Coloninha

 

coloninha resultado DESTAQUE

Equipes de agentes de endemias da Vigilância em Saúde de Paranavaí e dezenas de voluntários participaram no último sábado (18) do segundo mutirão contra a dengue em duas regiões da Coloninha do Jardim São Jorge. Durante toda a manhã, foi realizada uma ação de coleta de materiais que podem acumular água em uma área de aproximadamente 66 quarteirões. O resultado foi a retirada de mais 20 caminhões carregados com os materiais descartados pela população.

CONTINUA DEPOIS DA UTILIDADE PÚBLICA

denque seasa 07 01 20


Segundo a diretora da Vigilância em Saúde, Keila Stelato, na sexta-feira (17) as equipes de agentes de endemias visitaram toda a área mapeada em preparação para o mutirão. “Eles fizeram a vistoria das casas para detecção de focos das larvas do mosquito Aedes aegypti. Onde foram encontrados focos, já foi realizada a coleta das larvas, destruição dos focos e notificação para os moradores com prazo para a limpeza. Além disso, os agentes distribuíram sacos de lixo nas residências para que os moradores já fizessem a limpeza dos quintais e colocasse em frente das casas todo o material para ser recolhido durante o mutirão”, explicou.

Agora, a Vigilância em Saúde já está preparando um novo mutirão para o próximo sábado (25). As equipes ainda estão estuando em qual área entre as mais críticas da cidade será realizada a nova ação.

“Temos recebido muitos telefones aqui na Vigilância, de pessoas solicitando agendamento para que nós façamos o recolhimento do lixo nas casas. É importante lembrar que o município tem caminhões que fazem a coleta de lixo em todas as áreas da cidade, inclusive nos distritos. É só o morador tirar o lixo no dia e horário específico do seu bairro, que o material é recolhido. Nos mutirões, nós não vamos entrar para limpar o quintal de ninguém e nem recolher lixo. Estamos recolhendo apenas os materiais que podem acumular água e causar risco de se tornarem criadouros de larvas do mosquito da dengue”, frisa Keila.

LIRA – O resultado do o primeiro Levantamento de Índice Rápido do Aedes (LIRA) de 2020, divulgado na última sexta-feira (17), é preocupante. O índice, que era de 1,0 (baixo risco) em outubro, agora está cinco vezes maior. O novo LIRA registrou média de 6,0, agora alto risco de infestação, o que revela o ritmo acelerado de proliferação das larvas do mosquito Aedes aegypti e mantém as chances de uma nova epidemia na cidade.

A região com maior infestação de larvas é a que abrange os jardins São Jorge, Santa Maria, Matarazzo, Vista Alegre, Simone e Três Conjuntos. Nestes locais o índice é de 7,4.

A região que abrange a Vila Operária e Jardim Santos Dumont, está com índice de 6,5. Em seguida aparecem as regiões dos jardins: Ouro Verde, Ouro Branco e Sílvio Vidal (5,3); e a região do Centro e Jardim Guanabara (4,8). O menor índice registrado foi na região do Sumaré, Morumbi, Monte Cristo, Vila Paris, América e Parque Industrial (3,5).

Entre os locais onde foram encontrados criadouros de larvas do Aedes, o maior percentual (50,9%) está nos depósitos passíveis de remoção, como lixo (recipientes plásticos, latas), sucatas em pátios de ferro velho, entulhos e pneus. Em seguida, aparecem os pequenos depósitos móveis (32%) como vasos e frascos com água, pratos, pingadeiras, recipientes de degelo de refrigeradores, bebedouros de animais e pequenas fontes ornamentais.

FONTE SECOM/PMPVAÍ

lanofusco Ver tudo

Nasci em Nova Esperança-Pr. no dia 12/10/57, Meu primeiro diploma foi de datilografia com 12 anos de idade o que me possibilitou trabalhar em Cartório de Registro Civil, e escritório de contabilidade após terminar o segundo grau onde fiz curso de técnico em contabilidade. Com 17 anos, após uma concorrida seletiva, iniciei como locutor na Rádio Sociedade de Nova Esperança. Aos 20 anos trabalhei na Televisão Cultura de Maringá, logo em seguida passei no concurso do Banco do Brasil onde fiquei por sete anos e voltei aos meios de comunicação trabalhando em várias emissoras de Paranavaí, em Nova Londrina, Maringá e Curitiba. Agora, resolvi fazer esse site com intuito de ser mais participativo nas informações de interesse de todos brasileiros e brasileiras. Diante de tantos nomes e meios de comunicação existentes, não foi fácil decidir o nome para o site, tive que viajar com o pensamento no futuro e imaginar uma pessoa perguntando a outra: onde você viu essa notícia? e a resposta será Lá no Fusco. Espero que gostem desse meu novo trabalho. Conto com seus acessos, dicas e sugestões. Abraços do sempre amigo Edson Fusco

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: