Ir para conteúdo

Delator diz que chefe da Casa Civil do Paraná recebeu R$ 100 mil em campanha para deputado em 2014

Ex-diretor do DER, Nelson Leal Júnior, afirmou em colaboração premiada da Operação Integração que repassou o dinheiro a Guto Silva (PSD).

Guto Silva foi eleito deputado estadual em 2014 e em 2018. — Foto: Divulgação
Guto Silva foi eleito deputado estadual em 2014 e em 2018. — Foto: Divulgação

O ex-diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR) Nelson Leal Júnior afirmou em delação premiada que o chefe da Casa Civil do governo do Paraná, Guto Silva (PSD), recebeu R$ 100 mil em dinheiro vivo para a campanha eleitoral de 2014, quando foi eleito para o cargo de deputado estadual.

O pagamento foi citado por Leal na delação anexada ao processo da Operação Integração, que investiga irregularidades nos contratos de pedágio do Paraná.

Nelson Leal afirmou que, em 2014, o ex-presidente da concessionária Econorte, Hélio Ogama, recebeu um pedido do então secretário de Infraestrutura e Logística do estado, José Richa Filho, irmão do ex-gorvernador Beto Richa, para que fornecesse R$ 100 mil à campanha do então candidato a deputado estadual Guto Silva.

Em depoimento à Justiça Federal em janeiro, Ogama confirmou o pagamento.

“Ele [Nelson Leal] pediu para uma ajuda política que seria para um deputado ou um candidato, que seria R$ 100 mil. Eu dificultei um pouco, mas devido a várias insistências eu arrumei pra ele R$ 100 mil e entreguei na sala dele”, afirmou o ex-presidente da concessionária.

Nelson Leal Júnior e Hélio Ogama são delatores na Operação Integração, um desdobramento da Operação Lava Jato.

Segundo a delação de Nelson Leal, o dinheiro foi entregue por Hélio Ogama a Leal, que repassou, no mesmo dia, os R$ 100 mil a Guto Silva na sala do ex-presidente do DER.

Na época, Guto Silva era candidato pelo PSC.

O que dizem os citados

Guto Silva, que foi reeleito deputado estadual em 2018, mas se licenciou do mandato para assumir a chefia da Casa Civil do governo de Ratinho Junior, disse que recebeu com surpresa as informações da delação de Nelson Leal Júnior.

“Eu sempre defendi a transparência que qualquer homem público pode e deve ser investigado e eu não sou exceção. É por isso que eu estou triste e indignado com a situação e confio no trabalho do Ministério Público e da Justiça para que eles possam trazer toda a verdade”, afirmou Guto Silva.

A defesa de Hélio Ogama informou que já tratou do assunto quando assinou o acordo de delação e em depoimento à Justiça.

Nelson Leal Júnior afirmou que “vai continuar colaborando com a Justiça, esclarecendo os fatos eque são objeto das investigações e processos judiciais.”

A Triunfo Econorte informou que não comenta investigações envolvendo executivos e ex-executivos.

A defesa de José Richa Filho não respondeu ao contato do G1.

FONTE: G1

Categorias

Sem categoria

Deixe uma resposta

Contato de Lá no Fusco
%d blogueiros gostam disto: